O ObservaRH realiza pesquisas em todas as áreas da saúde. Para consultar, selecione uma das categorias abaixo:

A educação permanente no processo de organização em serviços de saúde: as repercussões do curso introdutório para equipes de saúde da família - experiência do município de Juiz de Fora/MG

Download
Compartilhe

Tipo: Doutorado

Autor: Farah, Beatriz Francisco
 
Orientador: Celia Regina Pierantoni.
 
Fonte: Rio de Janeiro; s.n; 2006. 270 p.
 
Resumo: O presente estudo analisa um processo educativo de serviço de saúde – Curso Introdutório para as equipes de Saúde da Família - CI, apoiado e recomendado pelo Ministério da Saúde, como forma de informar e divulgar a política de Saúde da Família. Parte-se da premissa de que o Curso Introdutório da Saúde da Família é uma estratégia inicial de organização da implantação do trabalho das equipes. É um estudo de caso, de natureza qualitativa, realizada com as equipes de Saúde da Família do município de Juiz de Fora, que foram sensibilizadas pelo CI do Pólo de Capacitação, Formação e Educação Permanente de Pessoal para a Saúde da Família da Universidade Federal de Juiz de Fora – MG. Foram realizadas entrevistas com os formuladores, implementadores e executores das políticas de saúde do nível federal, estadual e municipal; grupo focal e questionários com as equipes de Saúde da Família. Essa pesquisa revelou que foi consensual entre os sujeitos que o CI estimulou, incentivou e sensibilizou as equipes a desenvolverem a estratégia da SF, a partir de algumas diretrizes implantadas, que auxiliaram na operacionalização e organização do processo de trabalho. O CI é o início da educação permanente, porque apresenta características que o qualificam como tal, apesar de não ser percebido como início e sim como fim, porque não houve continuidade do processo no município. São evidenciadas contradições entre o discurso e a prática, de forma e intensidade diferentes, devido às subjetividades do processo de trabalho em cada uma das equipes. As mudanças sofrem interferências diretas de tecnologia material e não material presente nos serviços, encontrando na categoria apoio da gestão a maior fragilidade para o desenvolvimento da proposta. Mas, pode-se inferir que promoveu crescimento individual e coletivo visualizado através das atividades realizadas. No ensino, levou a discussão da SF para o interior dos cursos de graduação nas disciplinas de conteúdos afins. Os conteúdos agregados na prática foram: saúde, família, território. No discurso: trabalho em equipe, planejamento e diagnóstico. A pesquisa revelou que, em Juiz de Fora, pelo menos três formas de desenvolvimento da SF, após a sensibilização do CI: equipe atuando de acordo com o modelo assistencial proposto, equipe em processo de retrocesso ao modelo assistencialtradicional e outra em que o modelo tradicional está fortemente sobreposto ao da SF...(AU).

Download
Compartilhe



Últimos dias para se inscrever nos processos seletivos da ENSP/Fiocruz. São 3 programas - Saúde Pública, Saúde... https://t.co/zusLHFGHSA
Vai começar o curso Panoramas da Saúde Global no IMS-UERJ Veja detalhes... https://t.co/sAG1KJ7NQI
Inscrições até 29/09! Processo seletivo 2018 para Pós-Graduação em Saúde Coletiva do IMS/UERJ... https://t.co/TeRwtPfoxj
Todos os direitos reservados © ObservaRH-IMS/UERJ - 2013